Os tecidos Adesivos

0
45
11112013_pano_600-2
Muitas das melhores ideias surgem assim, ao acaso. Em um dia qualquer de fim de ano, a família Samarco estava reunida para jogar conversa fora. Proprietários de uma das maiores fábricas de etiquetas adesivas – a Tec Label – veio um pensamento: “Por que não fazer um papel contact com tecido?”. Uma questão assim, tão simples, foi o primeiro passo. A partir dali, começaram a desenvolver aquilo que, em poucos anos, iria se tornar o grande diferencial do mundo artístico.
No início, era mais uma atividade do que uma proposta de grande negócio. “Nunca imaginei que eu ia me envolver em algo desse tipo”, conta Angélica, uma das sócias da empresa Panoah. Ela já havia proposto ao irmão que fabricasse o produto na Tec Label, mas ele não levou a ideia adiante. Mesmo assim, aquilo continuou em sua cabeça até que chegasse o momento certo. No fim de 2010, sua sobrinha – e atual sócia – Daniela tinha uma filha ainda pequena e queria ocupar-se com algum trabalho. Juntas, elas colocaram todas suas energias para fazer um material diferente, criativo, prático e completamente novo.
Sócias, madrinha, afilhada e, acima de tudo, companheiras. Sim, quem conversa com as duas proprietárias percebe a relação de amizade e carinho que têm. Não apenas uma pela outra, mas pelo trabalho que fazem. “A cabeça não desliga. Estamos 100% do tempo pensando nos projetos que podemos desenvolver”, conta Daniela.
Atualmente, a marca já é reconhecida e atende em grande escala, mas nem sempre foi assim. A primeira máquina ficava no fundo do quintal da casa de Angélica e fazia apenas um tamanho de rolinho. O grande desafio, no entanto, não foi apenas crescer como empresa, mas sim colocar o produto no mercado. “Levamos um ano para introduzir o conceito”, lembram. E qual motivo de tanto trabalho? Simples. Não existia nada parecido com um tecido adesivado. O material era pioneiro e, por isso, era necessário acostumar as pessoas com algo que nem existia.
Não dá para dizer que tenha sido fácil, mas, hoje, o trabalho já dá bons resultados. Com vários revendedores, representantes e parceiros, a Panoah está alcançando cada vez mais estados brasileiros e logo terá reconhecimento nacional e internacional.
11112013_pano_600-3História e inspiração
Com a ideia formada, foi a vez de escolher o nome da marca. “Nós estávamos de férias, na casa que temos na represa de Avaré, interior de São Paulo, e precisávamos de um nome para um produto inédito. Devia ser pequeno, fácil, moderno”, contam. Entre a família, surgiram mil sugestões, nas mais diversas línguas e com os mais variados conceitos. Até que, no meio das brincadeiras, o marido da irmã de Daniela disse: “Precisa ser uma expressão do tipo: Pano, ah, que lindo!!”. Ponto, pegou! No início de 2011, nascia a Panoah.
Inicialmente, a proposta da empresa era entrar no universo infantil, já que Daniela tinha uma filha pequena e estava fascinada pela maternidade. No entanto, os tecidos não obtiveram muito sucesso nas lojas desse setor. A primeira grande cliente – e que continua fiel à Panoah até hoje – foi Rosária Cunha, grande artista, reconhecida por seus trabalhos maravilhosos em quadros para bebês. “Ela foi uma grande parceira, muito importante para nós. Ela apostou em nosso produto e deu resultado”.
Depois disso, a empresa não parou de crescer. “Nós vendíamos pelo facebook, que é, sem dúvida, uma ótima ferramenta”, comentam rindo e relembrando a luta que foi no começo. De fato, outro grande diferencial foi a participação na feira Craft Design, em agosto de 2011, quando a marca tinha apenas alguns meses de vida. “Lá foi uma explosão. Durante a feira, nós ficamos sem tempo para nada. A Panoah era novidade e vendeu muito bem”.
Nessa época, o espaço no fundo de casa já havia ficado pequeno. “Foi invadindo minha casa até dizer ‘chega’. Precisávamos de um espaço maior”, conta Angélica. Então, a empresa mudou para um prédio maior, em uma área industrial de São Paulo, onde continua até hoje.
Além das parcerias com outras marcas e artistas – que geram produtos exclusivos –, a Panoah tem algumas estampas personalizadas. Essas linhas são criação da própria Daniela. “Estou sempre bolando algum desenho, principalmente para o lado infantil. Sempre gostei do processo de criação e aprendi muito com o pessoal da Johnson, empresa onde já trabalhei”, conta.
E o que inspira as sócias? “Existem algumas feiras de rua que vendem tecido na Holanda e na Bélgica. São simplesmente maravilhosas.Não só bonito, funcional
Decoração, arte, artesanato, design. Hoje, os tecidos adesivos estão invadindo todos os ramos. Marcados especialmente por sua praticidade e qualidade, os produtos Panoah impressionam cada vez mais gente. Conversando com as sócias, dá para entender porque o sucesso estava garantido desde o início: é um diferencial. “É legal a pessoa passar a mão e ver que é tecido mesmo. Nós recebemos algumas perguntas sobre a possibilidade de envernizar ou colocar um vidro por cima, mas perde a graça, a questão é ter o toque de pano”, explica Daniela.
Contudo, ao se tratar deste material, a primeira grande questão acaba sendo: e se sujar ou molhar? Sim, os tecidos adesivos Panoah podem – e devem! – ser lavados com água e sabão. Eles não mancham, não amarelam e é realmente difícil perder a cola. “Quando começamos com a produção, precisávamos fazer o máximo de testes possíveis. Então, eu coloquei tecido perto da pia da minha casa e encharcava de água todos os dias”, relata Angélica. “Nada descolou”.

A variedade aumentou e os rolos já contam com tricoline, tecidos nacionais, importados, sarja, suede, couro sintético, jeans, juta, chita, piquet e cetim. Os tamanhos também são variáveis: rolinhos de largura 0,47 metros por 1, 3, 5 e 10 metros; rolos de largura 0,95 metros por 1, 3, 5 e 10 metros; borders com largura de 15,66 cm por 3 metros; e figuras dos mais variados estilos, que são cortadas a laser em uma máquina especial. E não precisa se preocupar com a segurança do produto. Os materiais utilizados são certificados com a ISO 9001, o que garante sua qualidade.
Terras Além Mar
A Panoah é vendida por seus representantes, que quase sempre são lojas de material artístico. Porém, a pedido dos próprios consumidores finais, a empresa precisou expandir. Por enquanto, a solução para atender toda demanda foram os quiosques montados nos principais shoppings de São Paulo. São espaços charmosos, inteiros de tecido, que as próprias sócias administram. Agora, também estão chegando ao Rio de Janeiro. “A gente até pensou em abrir franquias, mas, quando descobrirmos tudo o que era preciso, recuamos um pouco. Por algum tempo, vamos manter tudo em nossas mãos para entender como funciona. Depois, daremos este próximo passo”. É a atitude mais inteligente e prudente a tomar. “Pensamos, sim, em expandir as filiais. Principalmente nos locais em que nossas mãos não alcançam, como em outros estados e países”.
A primeira filial de tecidos fora do país já está confirmada. “Vamos começar por Portugal, por questão de facilidade e por já termos alguém nesta área lá. Depois, queremos invadir a Europa inteira”, conta Angélica, que completa: “Lá também não tem nada parecido com o tecido adesivo”.
Sim, as meninas Panoah não têm limites. “Um dia sou eu quem sonho alto e ela me traz para o chão. Outras vezes, ela se empolga e eu digo para pegar leve. A gente se balanceia e dá tudo certo”, conta Daniela. Onde vão parar? Sobre isso, não me restaram dúvidas: felizes e realizadas, nas feirinhas de rua da Holanda.Serviço:
Tecidos Adesivos – Tel.: 2925 9624 / www.panoah.com.br

Faça um comentário